Festival Internacional de Dança do Recife 2011

Festival Internacional de Dança do Recife 2011

APRESENTAÇÕES FRANCESAS

O Festival Internacional de Dança, que aconteceu do dia 21 ao dia 30 de outubro com o apoio do SCAC, constou de uma importante presença francesa

JPEG - 34.7 ko


Et si (solo)
Em português : “E se”
Companhia Multicorps Dança
Marcel Gbeffa

E se nossa interioridade entrasse em conflito conosco.
E se o Ego– interior resolver representar uma peça de desobediência.
E se nossos atos falhos surgissem aos montes.

E se o superego ficasse amigo do inconsciente para conjugar a consciência, o id, o ego em um círculo vicioso. Uma dança estéril. Uma musculatura erguida para representar o imbecil dos tiques-inseparáveis, apenas dissociáveis. Abordam-se ideias desconexas. Partimos e voltamos para meditar. Uma desordem, um caos repetitivo e cativante. Um pneu de avião de porte e um banco : eis o universo exterior que gera a decadência e a deliciosa cadência.

Duração : 15 min| Classificação : Livre
Ficha técnica : Coreógrafo/Dançarino - Marcel GBEFFA

Ombre primitive (duo)
Em português : Sombra Primitiva
Companhia Multicorps Dança
Marcel GBEFFA

Eles vivem seu espaço e seu conceito
Percorrem seu mundo e seu imaginário
A cultura encerra seu ser
Enquanto outros lhes oferecem liberdades

Ambos se encontram neste universo
Presos em sua diferença
Atraídos por suas diferenças
Instaura-se um diálogo dos corpos

O espaço exterior que exprimem
Pelo silêncio ou pelo não silêncio
Torna-se estreito demais e quer explodir
Quebrar as barreiras sair dos caminhos (...)

Duração : 35 min/ Classificação : Livre
Ficha técnica : Coreógrafo/Dançarino - Marcel GBEFFA assistido por Valérie FANODOUGBO

Apresentação
Recife – PE
21/10 – Teatro Barreto Júnior - 19h
Entrada : R$ 5,00

*Workshop com Marcel Gbeffa
Improvisação em dança
Data : 19 e 20/10
Local : UFPE – Centro de Artes e Comunicação
Horário : 15h
Público-alvo : bailarinos nível médio e avançado

CÉDRIC ANDRIEUX
RB JEROME BEL

JPEG - 14.5 ko

Este é um solo homônimo do bailarino Cédric Andrieux. O espetáculo é uma autocontemplação de sua carreira : no primeiro momento, como dançarino contemporâneo na cidade de Brest (FRA) e no Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Paris ; depois, como performer no Merce Cunningham Cia de Dança, em Nova Iorque ; e, recentemente, no Lyon Opera Ballet.
Nesta apresentação, Cédric Andrieux faz referências a trabalhos de outros artistas. O espetáculo é marcado por uma série de performances que se iniciam em 2004, com um solo para a dançarina do corpo de baile do Paris Opera, Véronique Doisneau. Logo depois, em 2005, foi a vez de Isabel Torres (bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro), e Pichet Klunchun (coreógrafo e dançarino) e Cédric, em um dueto criado em Bangkok com Khôn (dança clássica real da Tailândia). Lutz Förster, finalmente, é um solo para o artista do Pina Bausch (Bob Wilson) e o José Limòn Cia de Dança.

Duração : 80 min| Classificação : Livre
Ficha técnica : Concepção - Jérôme Bel. Por e com Cédric Andrieux. Com síntese de peças de Trisha Brown (Newark), Merce Cunningham (Biped, Suite for 5), Philippe Tréhet (Nuit Fragile), Jérôme Bel (The show must go on). Coaches - Jeanne Steele (Merce Cunningham) e Lance Gries (Trisha Brown). Co-produção - Théâtre de la Ville (Paris), Festival d’Automne (Paris), R.B. Jérôme Bel (Paris). Apoio - Centre National de la Danse (Paris), La Ménagerie de Verre (Paris), Baryshnikov Arts Center (New York). Gerente de produção - Sandro Grando.

Apresentações
Recife - PE
22/10 – Teatro Santa Isabel - 19h
Entrada : R$ 5,00
Salvador - BA
24/10 – Sala do Couro do Teatro Castro Alves – 19 h
25/10 – Sala do Couro do Teatro Castro Alves – 21 h
Entrada : R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia)
Fortaleza – CE
21/10 – Teatro José Alencar - 21h

Murmures (Murmúrios) duo coreográfico
Cia Malka

JPEG - 13.8 ko

Trabalhando há muitos anos com presos e deficientes físicos, Bouba Landrille Tchouda observou e abordou certas profundidades da solidão. Nesta nova coreografia, ele tenta contornar a "camisa de força" do prisonieiro e compartilha conosco a sua visão sensível e subjetiva dos esquecidos, com a vitalidade do hip hop. "Textos lindos, pertubadores, foram produzidos em cativeiro. A partir de alguns deles, quero restituir, com o gesto, estados do corpo... corpos impedidos, corpos privados, corpo esperando, corpo dançando ! Compartilhar algumas representações da reclusão como fonte dos males da mente e do corpo. Dançar a aflição, a joia, a raiva, a amizade, o desejo, a espera, a esperança, dançar para o outro, dançar para si mesmo !". Embalado pelas culturas urbanas e pelas culturas do mundo, Bouba Landrille Tchouda discute a dança em uma infinidade de facetas, de hip-hop, capoeira, dança contemporânea. Ele é um dos coreógrafos e bailarinos do movimento hip hop que desenvolveu uma linha de coreografia contemporânea singular.

Duração : 52 min | Classificação : 10 anos
Ficha Técnica : Coreografia - Bouba Landrille TCHOUDA . Dançarinos - Nicolas MAJOU, Bouba Landrille TCHOUDA. Dramaturgia - Guy BOLEY. Música de criação - Yvan TALBOT. Cenografia - Rodrigue GLOMBARD. Luz de criação - Fabrice CROUZET. Création costumes / Ternos de criação - Claude MURGIA. Agradecimentos - CO-PRODUTORES La Rampe – Echirolles / CCN La Rochelle / Théâtre National de Chaillot / Château Rouge – Annemasse / Théâtre Jean Vilar - Bourgoin-Jallieu / Avec le soutien de l’Office Artistique de la Région Aquitaine / Les Saisons - Théâtre de Givors / le partenariat du Pot au Noir à Rivoiranche. La compagnie MALKA est soutenue par la Ville d’Echirolles, le Conseil Général de l’Isère, le Conseil Régional Rhône-Alpes, la DRAC Rhône-Alpes / Ministère de la Culture et de la Communication, l’INSTITUT FRANCAIS pour les tournées à l’étranger, avec le mécénat de la Société Dauphinoise de l’Habitat.

Apresentações
Goiania - GO
Entrada : R$ 20,00 (inteira) R$ 10,00 (meia)
Campina grande - PB
31/10 – Teatro Severino Cabral - 20h
Entrada franca
Recife - PE
23/10 – Teatro Hermilo – 19h
Entrada : R$ 5,00

*Residência Artística – Cia Malka (FRA) e Projeto Pé no Chão (PE)
Plataforma de diálogo e interatividade. A ação visa, também, a montagem do trabalho Até aqui tudo bem, que integrará o repertório do Projeto Pé no Chão (PE) de trabalhos criados por estrangeiros. A criação é da Cia Malka (FRA) em co-produção com o FIDR.
Local : Nascedouro de Peixinhos
Data : 19/10 a 02/11
Horário : tarde

Exílo, as idades do mundo
Jessica Hénou

Exílio, as idades do mundo é uma peça em movimento em reescrição nos últimos 10 anos. É baseada num autoretrato e também numa autoficção da corógrafa e bailarina francesa Jessica Hénou. É um solo que conta uma vida de viagens. Hénou tem passagem pela França, Portugal, Grécia, Japão, África, Brasil, Argentina.

Exílio é a palavra. Exílio de caminhos pisados de sal e terra. Exílio banhado, cabelos na água, os pés ao vento. Exílio, como uma revolução íntima. Exílio autodefinido como um trabalho em movimento que precedeu a escrita de um livro. Exílio dança em ritmos gnaouis que transpiram a dificuldade de uma bailarina - que revela a sua singularidade, sua autenticidade - de registrar todos esses movimentos. Exílio como ritmos de dança de tango de salgado grego. Exílio perde a memória e descobre. Exílio nasceu em um porto do Mediterrâneo. Exílio está de volta.

Duração : 40 min | Classificação : Livre

Ficha técnica : Conceito coreográfico e interpretação - Jessica Hénou. Olhar cúmplice - Maria Paula Costa Rego.

Apresentação
Recife - PE
26/10 – Teatro Hermilo – 19h
Entrada : R$ 5,00

publié le 28/03/2014

haut de la page