Ateliers Varan : feedback de experiências

JPEG

A Oficina H2O Cine Recife aconteceu em Recife do dia 1 de agosto até o dia 16 de setembro. Dez alunos tiveram a oportunidade de realizar filmes sobre o tema da água e do meio ambiente seguindo os metodos documentários dos Ateliers Varan, grupo francês.

Juliana Gleymir fez parte do grupo e realizou o filme Cidade delírio. Ela contou um pouco dessa experiência singular para nós.

“O Atelier Varan, a princípio, surgiu enquanto oportunidade de me afirmar em um novo campo profissional e, pela primeira vez, realizar um filme em todas as suas etapas. Para uma recém chegada na graduação do curso de Cinema e Audiovisual na UFPE foi a possibilidade de antecipar o contato prático com o cinema, ter a câmera nas mãos.

O processo criativo de construção do documentário foi de intenso aprendizado tanto no campo cinematográfico quanto de autoconhecimento. O método de aprendizado a partir da produção e da análise coletiva dos materiais se mostrou muito interessante pois permite uma ampliação das trocas com os outros realizadores e com os professores, estimula-se, assim, o contato com novas referências e a constante (re)construção do pensamento, da motivação e percepção do que foi realizado e, por consequência, o avanço sistemático a partir da avaliação objetiva dos erros e acertos, da expectativa e da realidade."

Contudo, o mais importante foi poder trabalhar uma perspectiva humanista do cinema documentário que dignifica as pessoas com as quais entramos em contato durante todo o processo de construção do documentário. É exercitar o olhar e ouvidos para compreender a vivência do outro dentro de todas as suas condicionantes e acolhe-las enquanto aprendizado de outras formas de vida tão dignas quanto a sua própria. Creio que compartilhar seja o centro nevrálgico de toda a experiência vivida no atelier Varan H2O Recife. Posso dizer que fiz amigos e pude ampliar o meu horizonte de vivência da cidade, conhecer de perto realidades desconhecidas e bastante diferentes das minhas e (re)fazer minhas relações de afeto e memória com a cidade a partir dessas pessoas que atravessaram o meu caminho. O Atelier Varan confirmou que as relações com as outras pessoas são a base fundante da nossa existência, com ou sem câmera na mão, e que o cinema documentário é um meio maravilhoso de estar com/compartilhar com o outro o qual eu pretendo exercitar e seguir profissionalmente durante a minha vida.”

publicado em 26/10/2016

Topo de página